Gente, eu vim aqui para ler um poema
Mas aconteceu uma coisa muita embaraçosa
Esqueci-me de trazer o poema!

Puxa, vocês estão rindo
Mas eu estou quase chorando
Talvez meu poema não quisesse dizer nada para vocês
Mas para mim ele é muito importante

Não sei como pude me esquecer
Deve ter sido a ansiedade
Eu estava louco para ler meu novo poema
Eu achava que estava realmente bom
Talvez alguns de vocês fossem mesmo gostar do meu poema
E consequentemente, quem sabe, gostar de mim…

Mas realmente é verdade
Consegui a façanha de me esquecer do poema
Quando vinha a um sarau
Precisamente para ler o poema
Como pude me esquecer?

Esquecer minha poesia é como esquecer-me de mim!
Ao sair de casa, esqueci-me de mim.
Essa ansiedade que corrói minh´alma
Quase me faz esquecer
Que existe muito mais que correr todo dia
Atrás do pão de cada dia
Sim, o meu poema era até bom
Mas nem me lembro mais dele
Não saberia reproduzi-lo
Ele nasceu num momento de inspiração
E foi esquecido num momento de inconsciência

Gente, para mim é trágico eu ter me esquecido de trazer meu poema
Eu estava inscrito no sarau, eu fui aceito
Este seria meu momento
E, no entanto, eu me esqueci
Eu me esqueci de mim

Mas… esperem um pouco
Deixe-me ver melhor, uai, o que é isso no meu bolso de trás?
Vixe! é um pedaço de papel, será que é ele?
Nossa, é ele mesmo! Não me esqueci, ele está aqui
Estava aqui o tempo todo!
Que alegria! Gente, o poema está aqui
Ele está aqui e eu estou vivo!
Mas me perdoem, eu não posso ler agora,
estou emocionado demais!