Este poema se encontra no livro (em Inglês) O tema esta noite é o amor, 60 poemas selvagens e doces de Hafiz; a tradução para o Português é minha. Veja, após o poema, breve explanação sobre quem foi Hafiz e quem é o autor Daniel Ladinsky, traduzida do prefácio do mesmo livro, que me foi presenteado por Efren Solanas (mais um presente magnífico, que passo a compartilhar com vocês).

Saindo da boca de mil pássaros

Ouça –
Ouça com mais cuidado o que está em torno de você
Agora mesmo.

Em meu mundo
Existem sinos que se originam do tilintar
Das garrafas de leite das manhãs,

E a roda de uma carroça do lado de fora de minha janela
Acaba de bater numa saliência

E isto se tornou um coro extático
Do Nome do Amado.

Há o Chamado de uma Prece
Que se ergue como o sol
Saindo das bocas de mil pássaros.

Existe uma vastidão espantosa
De movimento e vida

Emanando som e luz
De minhas mãos dobradas

E dos ainda mais silentes meu simples ser e coração

Meu querido,
Será verdade que sua mente
É às vezes como um
Aríete
Correndo pela cidade toda,
Gritando tão loucamente para dentro e para fora

Sobre as dez mil coisas
Que não importam?

Hafiz, também,
Por muitos anos bateu sua cabeça na juventude

E imaginava estar a grande distância,
Longe de um armistício
Com Deus.

Mas é por isto que este velho peregrino cheio de cicatrizes
Tornou-se agora um tipo doce e raro de vindima
Que chora e canta por você.

É por isto que Hafiz irá para sempre no seu verso
Tocar seu címbalo e chamar você.

Oh, ouça –
Ouça com mais cuidado
O que está dentro de você agora mesmo.

Em meu mundo
O que resta é somente o extraordinário chamado para
A dança e a prece

Erguendo-se como mil sóis
Saindo da boca de um
Simples pássaro

– Hafiz

Hafiz, que nasceu com o nome Shams-ud-din Muhammad (1320 – 1389), é o mais amado poeta persa. Ele nasceu e viveu em Shiraz, uma linda cidade ajardinada, onde se tornou famoso mestre espiritual. Sua obra Divan (poemas selecionados) é um clássico na literatura do Sufismo e de versos místicos. O trabalho de Hafiz se tornou conhecido no Ocidente em larga escala devido à paixão de Goethe. Seu entusiasmo afetou profundamente Ralph Waldo Emerson, que então traduziu Hafiz, no século XIX. Emerson disse a respeito de Hafiz: “Hafiz é um poeta para poetas”, e Goethe comentou: “Hafiz não tem igual”. Os poemas de Hafiz também foram admirados por personalidades célebres, como Nietzsche e Arthur Conan Doyle, cujo maravilhoso personagem Sherlock Holmes cita Hafiz; Garcia Lorca o elogiou; o famoso compositor Johannes Brahms ficou tão tocado por seus versos, que usou diversos deles em suas composições e, mesmo a rainha Vitória, segundo dizem, teria consultado os trabalhos de Hafiz em tempos de necessidade. O âmbito dos versos de Hafiz é de fato impressionante. Ele diz: “sou fresta numa flauta através da qual se move a respiração de Cristo – ouçam essa música.” Em outro poema, Hafiz ludicamente canta: “Veja o sorriso nos lábios da Terra nesta manhã, ela tornou a se deitar comigo na noite passada.”
Daniel Ladinsky nasceu e foi criado em St. Louis, Missouri. Um dia, num retiro no deserto, quando era estudante na Universidade do Arizona, ficou subjugado pela Divina Beleza neste mundo; teve início ali um fascínio permanente por Deus, que o levou a viver na Índia por seis anos, explorando a essência e unidade de todas as fés. Um professor ali semeou em seu coração a maravilha de Hafiz, quando disse: “Com profunda graça e ternura, as palavras de Hafiz falam por Deus.”